NOTÍCIAS / Tudo sobre Samba

  • BELCHIOR : ANO PASSADO EU MORRI, MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO – O MUSICAL" em Cartaz no Teatro João Caetano

    Lucia Mello em 11 de Abril de 2019

    BELCHIOR
    ANO PASSADO EU MORRI,  MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO 


    - O MUSICAL - 


    Fará sua estreia nacional
    não Teatro João Caetano dia 05 de abril / 2019 para temporada popular  até o dia 28/04/2019. 


    O espetáculo “BELCHIOR: ANO PASSADO MORRI UE, MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO - O Musical”, that marcará OS 02 ANOS DE ausencia Desse cantor e compositor Que Teve SUA Trajetória artística interrompida POR SUA Própria Vontade e necessidade, fez SUA estreia nacional não Teatro João Caetano (RJ), não diâmetro 05 de Abril / 2019, COM Apresentações sexta-feira e sábado e domingo às 19h Às 18 h, Até O Dia 28/04, com um Ingressos Preços populares, de R $ 40,00 / R $ 20,00 (estudantes, jovens até 21 anos e acima de 60).

    Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes. Como gostava de ironizar, “um dos maiores nomes da música popular”. Mais conhecido como Belchior, o cantor e compositor nasceu no dia 26 de outubro de 1946, em Sobral, no norte do Ceará, e já no início da década de 70 veio para o eixo Rio-São Paulo emplacar suas canções em festivais de música.

    A sua primeira vitória foi Elis Regina interpretou duas de suas músicas no espetáculo Falso Brilhante: 'Velha Roupa Colorida' e 'Como Nossos Pais'.

    Os últimos dez anos de vida foram de quase total, com raras notícias, entrevistas ou shows. Diante de sua separação, seu nome é a única saída dos grandes holofotes, embora no momento em que o país se preocupa com o país, sua voz se torna necessária, afinal ... "amar e mudar como as coisas mais interessantes". 

     O espetáculo conta um pouco da história do cantor cearense Belchior, vivido em cena pelo ator / cantor Pablo Paleologo , a partir de uma série de canções criadas: o Cidadão Comum, interpretado pelo ator Bruno Suzano . Ele representa uma gama de jovens que se vêem obrigados a se conformar com os padrões da sociedade, sem nunca conseguir os seus sonhos. 

    O ator Pablo Paleologo que dá vida ao Belchior comenta:

    “Viver Belchior é, literalmente, uma alucinação. Como se estuda alguém tão enigmático, tão curioso, tão camaleônico? Admirava muito como compositor. Hoje admiro como pessoa. Belchior tinha o dom da palavra, como poucos tem. E, por opção, tornou-se o “desaparecido” da Música Brasileira. Trazê-lo de volta, em andamentos atuais, é necessário. Poder transmitir mensagens de suas músicas é um presente que me foi dado. É necessário lembrar que “amar e mudar as coisas” deve ser, de fato, ser o mais importante ”.

    Um dos organizadores do texto e do diretor de espetáculo, Pedro Cadore explica: “Eu e Cláudia Pinto (organizador do texto, juntamente com ele) decidimos partir das palavras do homenageado e não apenas de suas músicas, mas também de suas falas em de televisão, de rádios e jornais. Fizemos uma compilação de sua fala e suas teorias em uma tentativa de mostrar um pouco da sua filosofia e atmosfera. O roteiro da peça se fechou quando entendemos que o personagem dentro das músicas não era um alter ego de Belchior, mas que na verdade ele estaria falando de uma escala de domínica da população. Em vez disso, a cena não é apenas uma representação do cantor, mas também é criada por ele: a Cidadão Comum. A vida do criador e da criatura é confundida e de alguma forma acabada com um pouco de sua biografia,

    Com 15 músicas - 'Alucinação', 'Um Menino Rapaz Latino Americano', 'Um Palo Seco', 'Na Hora do Almoço', 'Todo o Mundo de Batom', 'Coração Selvagem', 'Medo de Avião', 'Mucuripe' (de Belchior e Raimundo Fagner), 'Conheço o Meu Lugar', 'Como Nossos Pais', 'Populus', 'Paralelas', 'Velha Roupa Colorida', 'Sujeito de Sorte' e 'Galos, Noites e Quintais' - interpretadas por uma banda formada pelos músicos Cacá Franklin (percussão), Dudu Dias (baixo), Emília B. Rodrigues (bateria), Mônica Ávila (saxofone / flauta), Nelsinho Freitas (teclado), Rico Farias (violão / guitarra) liderados pelo diretor musical Pedro Nêgo, e uma organização de textos, retirados de entrevistas do próprio Belchior, pela pesquisadora Claudia Pinto e o próprio diretor, Pedro Cadore, uma obra realizada passar para o espectador não a sua biografia,mas uma filosofia de um dos mais misteriosos da música popular brasileira.

    A produção geral, assessoria de imprensa e marketing é comandada por João Luiz Azevedo em mais uma realização de sua produção. Boca Fechada Promoções e Produções Artísticas e Culturais.

    FICHA TÉCNICA:

    “BELCHIOR: ANO PASSADO EU MORRI, MAS ESSE ANO EU NÃO MORRO - O Musical”

    Organização de Textos: CLÁUDIA PINTO E PEDRO CADORE

     Direção: PEDRO CADORE

     Elenco: BRUNO SUZANO e PABLO PALEOLOGO

    Músicos: CACÁ FRANKLIN (percussão), DUDU DIAS (baixo), EMILIA B. RODRIGUES (bateria), MONICA AVILA (sax / flauta), NELSINHO FREITAS (teclado) e RICO FARIAS (violão / guitarra),

     Direção Musical: PEDRO NÊGO

    Diretor de Arte e Cenografia: JOSÉ DIAS

    Iluminação: RODRIGO BELAY

    Produção Geral, Assessoria de Imprensa e Marketing: JOÃO LUIZ AZEVEDO.

    Local: Teatro João Caetano

    Praça Tiradentes - tel. 2332-9257

    Informações e Reserva de ingressos pelo whatsapp (21) 99731-0933

    De 05 a 28 de abril de 2019.

    sexta e sábado às 19h e domingo às 18h.

    Classificação indicativa: recomendada para maiores de 12 anos.

    Valor dos ingressos: R $ 40,00 / R $ 20,00 (meia para estudantes, jovens até 21 anos e maiores acima de 60 anos)

    Tempo de Duração: 1h20min.

    Pontos de Venda de Ingressos:

    Bilheteria do Teatro João Caetano e nenhum site Ingresso Rápido.

    Produção: Boca Fechada Produções Artísticas




ANUNCIANTES






SIGA O Ti Ti Ti!

#TITITIDOSAMBA